Icono de teléfono Atenção ao cliente +351 212 696 338

Quirón Salud

O orgulho de Louise por cumprir 40 anos

27 de julio de 2018
O orgulho de Louise por cumprir 40 anoslupa

Louise Brown nasceu num hospital inglês em 25 de julho de 1978; o primeiro bebé proveta de Espanha, Victoria Anna, nasceu em Barcelona em 1984 e na Extremadura a primeira criança fruto de técnicas de reprodução assistida não chegou até ao ano 2000.

IGNACIO SANTIAGO ÁLVAREZ MIGUEL

Em 25 de julho de 1978, Louise Brown nasceu e esta efeméride foi proclamada nas publicações científicas de maior prestígio, assim como em jornais generalistas e tablóides de todo o mundo. Poucos se lembrarão ou conhecerão esta notícia tão mediática na altura mas, junto com os passos de Neil Armstrong na poeirenta superfície lunar que, atónito, contemplei alguns anos antes diante de uma incipiente televisão a preto e branco, são as notícias globais que mais impacto tiveram em mim e a primeira, que hoje cumpre 40 anos, aquela que ficou marcada como uma referência científica ao longo da minha carreira.

Algumas semanas atrás, Louise passeava pelas salas e corredores da convenção européia de reprodução assistida, realizada em Barcelona e à qual eu pude assistir. Esta mulher, que poderia passar despercebida entre os delegados britânicos do congresso, foi reportada como uma sensação há 40 anos porque foi concebida num tubo de vidro, ou seja, por fertilização in vitro, num laboratório em Londres no final de 1977 e o embrião foi implantado no útero da sua mãe, para que, aproximadamente 9 meses depois, se produzisse o grande acontecimento do seu nascimento.

Durante sua passagem no congresso, Louise participou em reuniões e fóruns e recebeu jornalistas para falar sobre as suas experiências ao longo da sua existência e sobre o livro que publicou sobre a sua vida. Nessas actuações, usou o seu poder mediático graciosamente para comentar sobre o seu orgulho em cumprir 40 anos como pioneira de ter sido concebida por fertilização in vitro. Devido à relevância da sua pessoa, todos nós queríamos tirar uma foto com ela, assim como tentámos na época com seu criador científico, o inigualável e Prêmio Nobel Roberts Edwards, assíduo nesses mesmos fóruns antes de morrer, embora obviamente precedido pelo seu carisma e qualidade científica e não por uma circunstância como Louise.

Passado o seu aniversário, Louise continuará a sua vida, com as suas sessões de autógrafos e selfies, honrando o feito de ter sido a primeira de aproximadamente 8 milhões de crianças que se estima terem nascido com fertilização in vitro. Ela assumiu corajosamente que ser concebida fora do trato genital feminino nada mais é do que uma circunstância motivada por uma patologia dos seus pais e que crianças proveta passaram de se esconderem para se manifestarem, se não com orgulho, pelo menos com confiança. Victoria Anna ou Carlos Saleiro tomaram a mesma opção, os primeiros bebés proveta em Espanha e Portugal, respectivamente, não renunciaram à sua origem peculiar e falam naturalmente sobre ela, com mais ou menos cobertura mediática. Obviamente, expressar essa origem não deve ser uma obrigação e muitos nem sequer a conhecem, mas basta de desvalorizar a grandiosidade da tecnologia e da medicina na procriação.

Na Extremadura Espanhola, a fertilização in vitro começou um pouco mais tarde, e o primeiro bebé proveta não chegou até o ano 2000, muito mais tarde, comparado com Louise ou Victoria Anna que nasceu precisamente em Barcelona em 1984. No entanto, muito em breve este bebé de Badajoz atingirá a maioridade e esta geração, poderiamos dizer de Estremenhos peculiares, votarão, serão líderes e gerarão riqueza, conhecimento e genialidade. E não são poucos; estima-se que pelo menos 5.000 crianças na Extremadura seguiram os passos de Louise e é um número suficiente para que a nossa sociedade não possa ser concebida sem a sua contribuição. Como um dado a ter em conta, aproximadamente 5% das crianças nascidas nos nossos hospitais provêm de técnicas de reprodução assistida.

Durante a sua passagem por Barcelona, no mesmo congresso, a minha amiga Mafalda, uma grande embriologista que trabalha em Lisboa, conseguiu uma foto com a primeira bebé proveta do mundo, Louise, e exibe-a orgulhosamente nas redes sociais. Tenho que admitir que eu teria gostado também, mas simplesmente não pude fazê-lo porque decidi dar um passeio pela linda e confusa cidade de Barcelona quando sem aviso prévio a sessão de fotos foi realizada no stand em que agora Louise se costuma instalar. No entanto, tenho a sorte de María José, uma estudante que fez um excelente projeto de fim de curso sob minha tutela, me ter contado com orgulho e naturalidade que era uma menina concebida por fertilização in vitro, uma bebé proveta orgulhosa, uma dos milhões de anónimos "Louise" que abundam pelo mundo entre nós.

Relacionados